Você sabe a diferença entre vinho tinto, vinho verde e vinho branco? Dentre os amantes de vinho, há quem prefira mais o vinho tinto ao branco ou ao rosé. Essa diferença na coloração diz muito sobre as características da bebida e com que tipo de prato elas harmonizam.

Para entender um pouco melhor a diferença entre esses vinhos, é legal saber a origem deles. Pois bem! Dois tipos de uvas são matéria-prima deles: as uvas brancas, que necessariamente dão origem aos vinhos brancos, e as uvas tintas, mais versáteis, que produzem vinhos tintos, brancos e rosés.

Uma série de fatores da produção determina o sabor e a cor do vinho. Pensando nas uvas tintas, além do blend utilizado, do ponto de maturação e da espessura de sua casca, há o processo de maceração, decisivo para o tipo de vinho que será produzido. Vamos ver um a um!

Vinho tinto

Vinho tinto

Nos vinhos tintos, a maceração – ou seja, o contato da parte sólida da uva com a líquida, das cascas com o suco e a polpa – é mais longa, proporcionando a cor mais forte e marcante que conhecemos. A longa maceração permite que mais compostos corantes sejam liberados. Para esse vinho, há variações que vão do vermelho vivo, até o roxo e o marrom.

Vinho branco

Vinho branco

No vinho branco, o tempo de maceração é bem reduzido, para evitar que a cor forte seja adquirida. Apenas a parte líquida da uva tinta não possui cor. A produção pode ser feita também a partir de uvas verdes. A fermentação é feita a baixas temperaturas, também para extrair menos cor. A coloração varia do amarelo-palha ao amarelo esverdeado.

Vinho rosé

Vinho Rosé

Já o vinho rosé, que há pouco tempo vem adquirindo um maior valor entre os consumidores, pode ser feito através de três técnicas. A primeira é a maceração curta, descrita acima, mas nesse caso, o tempo é um pouco superior ao do vinho branco. Outra técnica é a da sangria, em que se drena uma pequena parte mais concentrada de líquido durante a maceração para a produção do vinho tinto, o restante é utilizado para o rosé. Por fim, a menos utilizada é a do corte, ou blend, em que se mistura o vinho branco e o tinto.

Vinho verde

Vinho Verde

Há também outro tipo bem conhecido da bebida, o vinho verde, mas, surpreendentemente, o nome não faz referência a sua cor, e sim a região em que é produzido, no noroeste de Portugal, chamada Vinhos Verdes também. Eles podem ser brancos, tintos, rosés ou espumantes.

Finalmente, quanto ao consumo, uma boa harmonização pode ser feita a depender se o vinho, além de branco, tinto ou rosé, é mais leve ou mais encorpado, e do tipo de comida, suas nuances de sabor e sua preparação. Ou seja, assuntos para os próximos posts.

Beber vinho traz muitos benefícios para a saúde, sabia? O consumo regular da bebida protege o coração, diminui os níveis de colesterol ruim, alivia os sintomas da depressão e ainda proporciona enorme prazer e relaxamento.

Com apenas duas taças por dia você transforma o seu corpo e as suas emoções, reduzindo o risco de diversas doenças, porque o vinho possui antioxidantes e substâncias anti-inflamatórias, entre outras.

Os benefícios do vinho para a saúde

Vinho

O vinho tinto, por exemplo, faz bem ao coração porque é rico em polifenóis, que aumentam os níveis do bom colesterol, o HDL. Ele também ajuda na diminuição da pressão arterial, evitando problemas circulatórios, como varizes ou derrame, e ainda previne o diabetes, uma vez que controla a glicose.

Os benefícios não são apenas para o corpo. Para as emoções o vinho também é excelente no alívio da depressão, uma vez que auxilia na produção de neurotransmissores como a serotonina, a dopamina e a endorfina.

Outro benefício do vinho é que ele melhora a saúde da pele. A responsável por isso é a resveratrol, substância que retarda a ação dos radicais livres. Esse componente ajuda a combater doenças cardiovasculares, auxilia na diminuição dos níveis do LDL e possui ação anticarcinogênica, porque inibe a proliferação de células do câncer de próstata e tumor de cólon. No vinho tinto, os polifenóis melhoram a microcirculação e a hidratação da pele. Já as procianidinas ajudam a manter a saúde dos vasos sanguíneos.

Viu só quantos benefícios proporcionam o consumo diário de vinho? Vinhos ajudam ainda a:

  • Combater infecções por bactérias,
  • Fortalecer os ossos, veias e artérias,
  • Melhorar a visão,
  • Preservar a memória,
  • Aumentar a libido.

Até na digestão dos alimentos o vinho é ótimo. Seus componentes ácidos fazem com a salivação e a liberação de suco gástrico aumente – e o alto teor de potássio também tem função diurética.

Vinho

Outras substâncias do vinho importantes para a saúde, são: flavonoides, quercetina e catequinas. É importante salientar, contudo, que o consumo de vinho precisa ser moderado, do contrário o excesso de álcool pode provocar males como problemas no fígado, além de insônia e propensão à dependência.

E se você costuma praticar exercícios físicos, principalmente musculação, o consumo de vinho pode ser prejudicial para a recuperação muscular. Bebidas alcoólicas desidratam o corpo, o que impede a absorção de nutrientes. Se você toma suplementos, deve dar atenção ao consumo excessivo de vinho. Contudo, aquela taça sagrada no fim do dia está mais do que liberada!

Ter um ótimo acompanhamentos para o seu vinho deixa tudo ainda mais gostoso para apreciar ele em um momento de descanso e tranquilidade.

Com a chegada do inverno cada vez mais próxima, a vontade de tomar um bom vinho acompanhado de um saboroso prato só aumenta. E reunir a família ou os amigos próximos para esse programa é ainda mais prazeroso.

Harmonizar vinhos com alimentos pode parecer tarefa árdua e complicada, mas com algumas dicas de combinações, chegar a um resultado delicioso é muito mais fácil.

Acompanhamentos para o seu vinho

acompanhamentos para o seu vinho

Em primeiro lugar, saiba que escolher o vinho apenas pela cor não é suficiente para harmonizar com sucesso. Branco, rosé ou tinto, saber distinguir um vinho leve de um encorpado é essencial. Além disso, você deve levar em conta o tipo de alimento e também os temperos.

Numa reunião em casa, uma boa sugestão é preparar entradinhas e petiscos para comer ao longo do encontro. A combinação tradicional de queijos e vinhos não tem erro. Caso queira variar, escolha diferentes vinhos para harmonizar com os diferentes queijos. Por exemplo: queijo brie e queijo gouda ficam ótimos com vinho tinto leve Pinot Noir, e podem acompanhar uma deliciosa geleia de damasco. Caso opte por queijos frescos como a mozzarella de búfala, ricota e queijo coalho, um vinho branco suave Chardonnay é excelente pedida.

Alguns embutidos podem completar essa tábua de frios, como o presunto de parma, o salame e a linguiça artesanal. Nesse caso, vinhos tintos como o Merlot e o Cabernet combinam bem.

Outros tipos de petiscos podem ser servidos, como aqueles feitos com peixes e frutos do mar. Bolinho de bacalhau, isca de pescada branca ou ceviche de tilápia vão super bem com um vinho branco fresco e aromático, como o Chardonnay. Casquinha de siri é uma opção diferente e muito apetitosa, combina bastante com vinho branco Sauvignon Blanc.

acompanhamentos para o seu vinho

Uma alternativa deliciosa e tradicional são os petiscos “de bar”, como bolinhos de carne, anéis de cebola, polenta, frango a passarinho e muito mais. Como esses alimentos contêm mais gordura, a bebida ideal é o espumante, escolha um de acidez acentuada e frescor, como o Brut.

Por fim, uma sobremesa não pode faltar. Caso o doce escolhido tenha cacau e conte com uma doçura mais pronunciada, a melhor opção são os vinhos fortificados, como o vinho do porto, uma bebida licorosa, servida em pequenas quantidades. Caso a sobremesa seja feita com uma bela geleia de amora, por exemplo, opte por um espumante Moscatel rosé.

Fale a verdade: agora sim o inverno pode chegar, não é mesmo?

O vinho do porto é um clássico para os enófilos (os amantes de vinhos). Sua história é de grande importância na cultura luso-portuguesa, assim como na brasileira.

Origem do vinho

Vinho do Porto

Sua origem remonta ao século 17. A bebida era produzida na Região do Douro, aproximadamente a 100 km de distância da cidade do Porto, no norte de Portugal.

Essa região conta com uma bela e emblemática paisagem, de montes esculpidos com terraços próprios para a produção das vinhas. Até hoje a beleza se mantém e a região é considerada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.

Os primeiros grandes consumidores de vinho do porto foram os ingleses – que, aliás, carregam também os rumores de terem sido eles os inventores da forma de fabricação desse vinho. Como os navegadores ingleses faziam grandes viagens, pensaram em uma maneira de conservar a bebida, adicionando aguardente.

Mesmo possuindo origens incertas, é importante entender como funciona a produção desse tipo de vinho fortificado. Enquanto um vinho seco sofre a fermentação até o final, e a maioria dos açúcares transforma-se em álcool, o vinho do porto interrompe a fermentação antes e adiciona aguardente vínica, proveniente das uvas. O resultado é um vinho licoroso, adocicado e mais alcóolico.

Chegada dele no Brasil

A chegada em peso do vinho do porto no Brasil aconteceu depois uma grande crise. Com a criação da Companhia Geral das Vinhas do Alto Douro, pelo Marquês de Pombal, o Estado Português passou a gerir todos os negócios referentes ao Vinho do Porto, e assim, o Brasil ganhou três filiais da Companhia.

Seu consumo atual no Brasil

Vinho do Porto

O fato é que até hoje o vinho do porto marca presença no Brasil, assim como outros vinhos portugueses, pela similaridade da língua, pela qualidade e diversidade e também pelo custo benefício. Portugal ocupa o segundo lugar no ranking brasileiro de vinhos importados. Curioso apontar que Portugal é, hoje, o país com o maior consumo de vinhos per capita (62,1l). Já o Brasil está bem atrás (2,8l per capita), mas em crescimento se comparado com os anos passados. Mesmo com muito a caminhar no quesito consumo, o vinho do porto será sempre um clássico por aqui.

Com o passar do tempo, novas categorias desse vinho foram criadas, contando com diferentes características. Dois tipos mais conhecidos são o Porto Ruby, de cor avermelhada, menor tempo de armazenamento e aroma frutado, e o Porto Tawny, de maturação longa, cor marrom clara e aromas mais complexos com notas de chocolate, amêndoas e café, por exemplo. Para ambos, devido à doçura e ao teor alcóolico, o ideal é que se consuma em pequenas doses.

Conte para nós: você também gosta de vinho do porto?

Vinho e peixe, uma maravilhosa combinação que possibilita pratos deliciosos e se combinado da maneira correta fica melhor ainda!

Peixe oferece inúmeros benefícios para a saúde e ainda agrada bastante o paladar. Seja peixe de carne branca ou escura, a harmonização com vinhos é sempre bem-vinda. Para entradas ou pratos principais, as opções são inúmeras e valorizam ambos.

O consumo de peixes é essencial na alimentação do brasileiro, por isso é ingrediente desde em receitas simples e clássicas até nas mais modernas e requintadas. Contudo, na hora de harmonizar peixe com vinho é preciso levar em consideração não apenas o tipo de peixe, como os temperos da receita, se haverá molhos e caldos, além de toda a forma de preparo. Esses diferentes detalhes influenciam bastante na hora da escolha do vinho. A seguir, um panorama geral e algumas dicas e sugestões.

Vinho e Peixe

Vinho e peixe

Como é muito falado, peixes combinam mais com vinhos brancos e rosés. Entretanto, para os fãs assíduos, que não conseguem abrir mão do clássico vinho tinto, há algumas exceções. O que costuma ser um problema é a união dos taninos presentes no vinho tinto e o iodo presente no peixe, o que deixa um gosto metálico desagradável na boca.

Nesse caso, escolha um vinho com menos taninos, de corpo leve e acidez marcada. Uma uva que proporciona um vinho assim é a Pinot Noir, que pode acompanhar uma refeição com salmão ou bacalhau, por exemplo. O bacalhau também harmoniza bem com Vinho Verde (um clássico português, que não leva esse nome por conta da cor, e pode ser tinto).

Passando para o vinho rosé, um pouco mais estruturado que o vinho branco, uma série de combinações também é possível. Peixes grelhados, assados ou cozidos, como o salmão e o atum, vão bem com o rosé. A presença de legumes e tomates cai bem.

Já quando a preparação envolve molhos, o branco é preferência. O clássico Chardonnay acompanha bem pratos mais pesados, devido a sua acidez e untuosidade. Peixes mais gordurosos também. Os ingredientes intensos são bem enfrentados e ao mesmo tempo valorizados pelo vinho branco seco. Caso opte por grelhar um peixe pintado, o vinho mais apropriado é o Sauvignon Blanc.

Ainda tem os vinhos espumantes. Uma combinação em alta é a com os sushis e sashimis, populares devido aos restaurantes de comida japonesa. Um espumante Brut harmoniza com salmão cru, por exemplo. A acidez dos espumantes pode estar a favor também de peixes de sabor mais intenso, preparados com temperos mais expressivos.

Como pode ver, o universo de combinações é imenso. Optar por uma receita específica ajuda a encontrar o melhor vinho – e é a melhor saída. Como dicas gerais, lembre-se de levar em consideração a acidez do vinho, extremamente importante para a harmonização, além de evitar as opções demasiadamente adocicadas.

A Yellow Tail é a 5 maior marca de vinhos do mundo, e acabou de chegar por aqui no Empório Festval.

Yellow Tail é produzido pela sexta geração, em Yenda, na Austrália.

Em 1957, os fundadores Filippo e Maria Casella migraram da Sicília e chegaram às costas australianas. Eles começaram a fazer vinho com a filosofia de vinificação da família em seu coração, reunir familiares e amigos em qualquer ocasião.

Foi essa abordagem que inspirou a visão de John Casella para Yellow Tail em 2001, para criar um vinho acessível que todos possam desfrutar. Ao fazer isso, ele queria demonstrar que o vinho podia ser divertido, fácil de escolher, fácil de beber e fácil de entender.

Yellow Tail continua a criar vinhos de excelente sabor para todos desfrutarem. Ao combinar uma paixão e compreensão da herança italiana, com uma atitude australiana descontraída e moderna, Yellow Tail está conquistando o mundo inteiro. Por esse motivo, o Empório Festval trouxe alguns rótulos do canguru australiano mais carismático do mundo para perto de você!

Além disso, Yellow é muito conhecido no mundo todo pelo seu mascote, o Roo, o canguru de cauda amarela que conquistou à todos com seu carisma.

Vinhos Yellow Tail Canguru

Os vinhos da Yellow são deliciosos e muito fáceis de beber, porém, se você quiser mais alguns motivos, vamos deixar algumas receitas de drinks aqui, confira:

Coquetel Chardonnay + Pêra + Canela

Quente e delicioso, este coquetel de canela e pêra é perfeito nos meses mais frios.

Drink Yellow Tail Chardonnay

INGREDIENTES:
1 xícara de água
1 garrafa Yellow Tail Chardonnay
1 xícara de açúcar
2 paus de canela
1 xícara de vodka
Pêras para decoração

PREPARAÇÃO:
1. Deixe ferver por alguns minutos 1 xícara de água, 1 xícara de açúcar e 2 paus de canela. Depois, leve à geladeira.

2. Depois misture o vinho Yellow Tail Chardonnay, 1 xícara de vodka e o xarope de açúcar e canela em uma jarra com gelo, pêras e paus de canela.

3. Leve à geladeira por mais 1 hora, depois decore com alguns pedaços de pêra e divirta-se!

Fondue de Chocolate + Cabernet Sauvignon

Quem não ama um fondue de chocolate, não é?! Por que não experimentá-lo acompanhado do Yellow Cabernet Sauvignon.

Fondue e Cabernet Sauvignon

INGREDIENTES:
1/2 xícara de Yellow Tail Cabernet Sauvignon
30ml de leite condensado
2 colheres de sopa de manteiga
300 gr de chocolate preto
1 colher de chá de baunilha

PREPARAÇÃO:
1. Mexa levemente o leite condensado, a manteiga, o chocolate amargo e a baunilha em fogo médio/alto, até derreter.

2. Retire a mistura do fogo e misture o Cabernet Sauvignon.

3. Sirva com frutas, bananas, biscoitos, marshmallows e, claro, mais Cabernet Savignon.

Sangria de Fim de Verão

Aquele drink para noites ainda quentes…

Drink Vinho Chardonnay

INGREDIENTES:
1 garrafa de Yellow Tail Chardonnay
1 limão em fatias finas
1 laranja, em fatias finas
1 maçã verde, sem caroço e fatiada
1 xícara de morangos fatiados
4 xícaras de refrigerante de limão e limão
1/2 xícara de rum branco (opcional)

PREPARAÇÃO:
1. Misture Yellow Tail Chardonnay e frutas em um jarro, adicione rum se quiser.

2. Leve à geladeira por 4-5 horas antes de adicionar refrigerante de limão e limão.

3. Despeje a mistura final em copos e divirta-se!

Vinhos Yellow Tail Canguru Cauda Amarela

Esperamos que gostem das dicas e ainda mais dos rótulos da Yellow Tail!

 

O vinho chileno Santa Ema Gran Reserva Merlot faz parte da linha de vinhos mais tradicional e conhecido da vinícola Santa Ema. Com mais de 5 prêmios, sua harmonia perfeita é obtida através de um delicado armazenamento em barris, junto à complexidade adquirida durante seu envelhecimento em garrafa. Com certeza é um rótulo que evoca recordações e experiências únicas e merece seu devido reconhecimento.

Santa Ema está presente nas melhores terras do Vale Central do Chile: Maipo Alto, Maipo Médio e Maipo Costa. Cada Terroir confere características únicas ao vinho.

Maipo Alto está localizado ao pé dos Andes, desde a Quebrada de Macul, em Santiago, às margens do Rio Maipo. Ali as temperaturas são mais amenas na época de maturação, o que requer atenção para que cepas de ciclo tardio cheguem ao seu ponto ideal, podendo, por outro lado, favorecer a boa acidez dos vinhos. No Maipo Médio, próximo às comunas de Isla de Maipo e Talagante, é onde a maturação é generosa, apoiada por solos pedregosos, um paraíso para Cabernet Sauvignon e Carménère. E ainda, Maipo Costa, ao ladinho do mar, que é a área menos clássica, atualmente mais explorada pelas vinícolas da região. A qualidade dos vinhos tintos de Maipo Alto é uma das mais consistentes na viticultura chilena. E o Gran Reserva Merlot unifica toda essa qualidade expressa em sabor!

Vale do Maipo Santa Ema

Não à toa, a garrafa está presente em diferentes partes do mundo e sua qualidade foi inserida e reconhecida nos mercados mais importantes dos cinco continentes.

Sobre o Gran Reserva Merlot

Este vinho apresenta uma cor vermelho rubi profundo, seus aroma remetem a frutas vermelhas em compota, com notas de chocolate e baunilha, junto com café torrado. Na boca é um vinho sedoso e de grande estrutura, cujos taninos aparecem redondos e maduros. Muito fácil de beber, pode ser servido como vinho de entrada ou no jantar, agradando à muitos paladares.

Santa Ema Gran Reserva Merlot está entre nossos Best Seller, fazendo parte dos 10 rótulos mais vendidos na Lovino.

Vinificação

A colheita de 2017 foi uma das safras mais antigas da última década, com pelo menos três semanas de antecedência, devido a uma primavera seca e um verão com temperaturas muito quentes. Apesar do rendimento menor que o esperado, é de excelente qualidade, com uvas muito saudáveis, aromáticas e altamente concentradas. O vinhos desta safra é reconhecido por sua grande complexidade, redondeza, volume e textura.

As uvas foram moídas e fermentadas em tanques por 7 dias 30 ºC com tempo de maceração pós-fermentativa de 6 dias. Depois da fermentação malolática, o vinho foi mantido em barris de carvalho francês e americano durante 8 a 10 meses, para obter e entregar mais complexidade e estrutura.

Harmonização

Harmoniza perfeitamente ao acompanhar carnes vermelhas e brancas, massas, ensopados e queijos.

Indicação de pratos para harmonizar: peru assado ao molho de frutas vermelhas, noque ao molho branco, ensopado de agnoline para as noites frias ou ainda uma boa pizza de pepperoni.

Premiações

· 91 pontos – James Suckling 2018, colheita 2016
· 90 pontos – Descorchados 2018, colheita 2015
· 91 pontos – James Suckling 2017, colheita 2015
∙ 90 pontos – Wine Spectator 2016, colheita 2013
∙ 92 pontos – Florent Michel 2016, colheita 2013
∙ 90 pontos – La Cav 2015, colheita 2012

História

Em 1917, Pedro Pavone Voglino deixou sua terra natal (Piemonte, Itália) para empreender uma longa viagem ao Novo Mundo. Foi seu instinto pioneiro que o trouxe para o Chile e que o permitiu conhecer as bondades do Vale do Maipo. Encantado com a paisagem de Maipo e suas características particulares para a produção de vinhos, decidiu firmar raízes. Sempre elaborando vinhos na região do Maipo e buscando os melhores Terroir da região, desde a Cordilheira até o Oceano Pacífico.

Vale do Maipo

Santa Ema é pioneira no Vale do Maipo, com mais de 60 anos de experiência, apresenta a melhor expressão do território da cordilheira ao litoral. Seus vinhedos estão localizados nas margens do rio Maipo, onde seu terreno se manifesta com toda a sua expressão, em uma das zonas viticultoras mais clássica e antiga do Chile.

Vina Santa Ema

Sustentabilidade

Além disso, ainda se destaca por sua grande capacidade em diminuir os potenciais riscos ambientais e sociais. Estão constantemente a antecipar a incorporação de medidas reais e tornar as suas práticas mais sustentáveis ​​para proteger o ambiente natural.

Santa Ema é reconhecida mundialmente por ser uma vinícola comprometida com a sustentabilidade, garantindo os selos:

Selo Fair for Life certified sustainable wine of chile Senda

Para eles, mais do que uma forma de encarar o trabalho, ser autêntico é o modo de encarar a vida. Assim, cada árvore é uma contribuição, cada gota de água é valorizada e cada garrafa tem uma história para contar.

Vina Santa Ema

O inverno é, sem dúvidas, a melhor estação para se degustar uma garrafa de vinho. Apesar de sabermos que não é preciso de motivos para beber vinho, cá entre nós, o frio deixa a bebida ainda mais saborosa, não é?! E é por isso que nós vamos te contar TRÊS motivos para renovar sua adega neste inverno:

Harmonização Perfeita

Cada estação têm suas receitas e bebidas para combinar, né? No inverno, para a maioria das escolhas gastronômicas, o vinho é a escolha certa para harmonizar. Nos dias mais frios, a tradicional noite de vinhos e queijos é uma ótima pedida para receber os amigos. Harmonize gorgonzola com uma boa taça de Cabernet Sauvignon ou Tannat.
Para o queridinho Fondue, vai depender do que for escolhido: fondue de carnes: prefira os vinhos tintos e robustos; fondues de chocolates, frutas e marshmallow: prefira vinhos doces e frutados; fondues de queijo: prefira vinhos brancos e leves, como o Chardonnay, ou ainda, para quem não abre mão de um tinto, a escolha mais assertiva é um vinho suave, como o Pinot Noir.

Já se você for daqueles que acham que sopa é janta sim, cuidado pois essa harmonização é delicada. Para as cremosas e com leve sabor adocicado harmonizam bem com um vinho tinto não muito estruturado, com taninos maduros e doces. Para os caldos verdes, o ideal seria um vinho tinto ou de corpo médio e aromas levemente frutados. O famoso caldinho de feijão cremoso, a melhor escolha é um vinho fino, de boa acidez e sabor discreto.

Para as massa, é essencial observar o molho que acompanha. Tomate: tintos leves e com boa acidez (Chianti, Merlot) e rosés em geral; Carne: tintos um pouco mais encorpados (Cabernet Sauvignon); Queijo: brancos mais encorpados (Chardonnay) ou tintos delicados (Pinot Noir, Beaujolais); Frutos do mar: brancos e rosés em geral e Al Pesto: brancos leves e frescos (Sauvignon Blanc, Torrontés).

Por fim, se tudo acabar em pizza com os amigos, aposte em vinhos mais encorpados e com mais taninos, como os Cabernet Sauvignon e Syrah, variedade de uva também conhecida como Shiraz. Assim, seja para receber os amigos, no almoço de família ou para aquele jantar romântico, você já sabe no que apostar!

Benefícios para Saúde

Quem nunca escutou que uma taça de vinho equivale à 30 minutos de atividade física? Pois é, consumido de maneira e quantidade correta, o vinho garante benefícios para a saúde. Ingerir a bebida pode auxiliar no sistema imunológico, melhorar a saúde do coração, ajudar no condicionamento físico e promover qualidade de vida, não só pelo sabor e prazer que sentimos ao degustar, mas também pelos benefícios.

Outro grande benefício é de escudo natural para o organismo, protegendo das terríveis gripes e resfriados. De acordo com pesquisas da Sociedade Europeia de Cardiologia, basta uma taça por dia para diminuir em pelo menos 11% o risco de infecção por bactérias que causam uma série de doenças, até úlceras, gastrites, infecções e até mesmo alguns tipos de câncer.

Além disso, o resveratrol, a famosa substância saudável dos taninos, é a “whey protein” do coração! Além de trazer benefício para pessoas com tendência a ter diabetes, duas taças de vinho por dia aumentam o colesterol bom e diminuem o ruim. Mas, como o antioxidante pode fazer tudo isso? Simples: ele diminui os níveis de açúcar no sangue e reduz a pressão arterial.

Mas não basta beber e esperar os dias de glória – para o efeito funcionar é preciso se mexer, caminhar e praticar exercícios. E o inverno é considerada a melhor estação para começar uma atividade física! Quer buscar seu corpo de verão? Comece treinando no inverno!

Melhor que Aquecedor

Bochechas vermelhas, rosto quente e alma aquecida são sinais de uma boa taça de vinho! O vinho, por ser uma bebida alcoólica, age como um vasodilatador no organismo. Assim, ele aumenta o diâmetro dos vasos sanguíneos, fazendo o sangue fluir pelas artérias mais facilmente, provocando perda de calor e causando o aquecimento da periferia do corpo – o que gera a sensação do corpo ficar quente.

 

Para melhorar ainda mais os motivos de degustar vinho nesta estação, nós colocamos todos os nossos rótulos exclusivos na promoção! E aí, já renovou sua adega para esse inverno? Winter is here!

As tradicionais Festas Juninas têm data marcada para começar: dia 12 de junho, véspera do dia de Santo Antônio. Costumam durar até 29 de junho, dia de São Pedro. Além disso, nos dias 23 e 24 é celebrado o dia de São João. A festa de cunho religioso, aqui no Brasil, se espalhou por todo o país e ganhou o jeitinho brasileiro de ser!

Cada região têm suas especiarias para essa data, mas uma coisa é certa: Festa Junina têm que ter vinho! Seja quente, quentão, tinto ou branco, o vinho é essencial para dar aquela esquentada, não é? Afinal, não existe bebida mais festiva para acompanhar o ritmo animado e a variedade de sabores que surgem às mesas no mês junino.

E é por isso que o Empório Festival declara oficialmente aberto o “Arraiá de Vinhos”. Isso mesmo, nós separamos 60 rótulos para você apreciar nessa época. Até porque, você já viu festa junina sem vinho? Nós também não!

Então, que tal conhecer mais sobre quatro vinhos da nossa seleção?!

BARRAQUINHA DOS SONHOS ABERTA

Nosso arraiá começa com a barraquinha dos sonhos! O primeiro sonho: Vinho II Sarone Vino Rosso, um vinho de estrutura levemente ácida, acabamento médio e bom custo benefício.

Dinamismo, profissionalismo e espírito de equipe fizeram da MGM Mondo del Vino uma empresa única no setor vinícola da Itália. Fundada no ano de 1991, a empresa, que produz aproximadamente 25 milhões de garrafas por ano, exporta seus produtos de altíssima qualidade para mais de 40 países em todo o mundo.

Não à toa está entre as 15 maiores exportadoras de vinho italiano. A vinícola é responsável por apresentar ao público rótulos capazes de mostrar as melhores características do espírito italiano, ou seja: qualidade, criatividade e versatilidade.

O rótulo II Sarone Rosso simplifica todo esse conceito em uma garrafa. De cor vermelho rubi, possui aromas de ameixas e amoras, com notas de canela e cacau. É frutado, redondo e equilibrado, de acidez moderada e com taninos médios e macios. Harmoniza com carnes, massas de molho vermelho, pizza e claro, espetinhos de festa junina!

A MAÇÃ É DE AMOR, MAS O VINHO É NOSSA PAIXÃO

Sabe aquele vinho que leva consigo todo um romantismo?! É um vinho com história, muito amor, e gostinho de quero mais!

A história do grupo Faustino não é a história de uma empresa, é a história de uma família. Uma família que, de geração em geração, dedicou sua vida à vinhos, vinhedos e bodegas.
São quatro gerações e 150 anos de experiência na produção e envelhecimento de vinhos de alta qualidade. Uma tradição que se adaptou às mudanças de época, acompanhando as inovações e, assim como o vinho, a cada ano se tornando ainda melhor em qualidade.

Os vinhedos de Ribera del Duero tomam forma no mais recente e marcante projeto do Grupo Faustino, a Bodega Portia. Em um prédio espetacular, uma exibição arquitetônica contemporânea, ao mesmo tempo funcional e simbólica. Portia, a sétima bodega do grupo, reflete como nenhuma outra adega a particularidade que diferencia Faustino: a vibrante inovação que está presente em todas as suas atividade, além do amor por oferecer o melhor.

A garrafa de Portia Roble abriga um vinho limpo, brilhante, com uma cor granada intensa e brilhos púrpura. Intenso no nariz. Marcado por aromas torrados, o resultado do envelhecimento do barril. Fruta fresca. Tanino estruturado e redondo. Balanceado, acabamento médio em notas de frutas.

Harmoniza muito bem com qualquer tipo de carne e batatas grelhadas. Peixe e marisco à la marinera. Meia-cura de queijos e sobremesas com bagas. Bom com arroz e todos os tipos de massas. Muito bom com feijões e purês em geral. Mas na festa de são João, pode acompanhar também um cachorro-quente e um pacote de pinhão!

OLHA QUE ISSO AQUI TÁ MUITO BOM, ISSO AQUI TÁ BOM DEMAIS

Campillo é a segunda bodega do Grupo Faustino. Nasceu do sonho de criar uma vinícola cercada por vinhedos. Construída em Laguardia, é um do vilarejos mais lindos de La Rioja Alavesa. Ao estilo dos castelos Bordeaux, a bodega é um marco arquitetônico cercado por 50 hectares das melhores videiras.

Basta subir sua escadaria para entender o sentimento que levou Julio Faustino Martínez à compartilha em Campillo suas duas grande paixões: vinho e arquitetura. Sua beleza arquitetônica combina as melhores técnicas para produção e envelhecimento do vinho.

Vinho tinto é sempre a melhor opção para dar aquela esquentada na festa! Por isso, nossa quarta indicação é o Vinho Campillo Crianza, ele é limpo, brilhante atraente e evolui para rubi. Notas de frutas vermelhas como morango, madeira e um fundo torrado. Tem um final longo e macio.

É fácil emparelhar com qualquer tipo de carne. Cogumelos grelhados, alguns peixes com muito sabor ou gorduras, como atum ou bacalhau. Queijo emmental o gruyere.

XII, ESSE NÃO DÁ PRA COZINHAR NÃO, SÔ!

Opa! Têm vinho tão bão aí, que não dá pra fazer quentão não!

A partir da personalidade acolhedora de sua terra, Rioja Alavesa, e do compromisso com o meio ambiente, Marqués de Vitoria, também do Grupo Faustino, percorre o caminho da modernidade. A adega e seus vinhos combinam perfeitamente a essência e as raízes desta terra com a capacidade de inovar. Localizada em Oyón, Rioja Alavesa, possui uma área construída de 8.700 metros quadrados, onde 960.00 garrafas descansam.

Marqués de Vitoria aposta, desde 1995, na criação de vinhos modernos, mais frutados e com novos barris que permitem uma maior diferenciação no sabor das uvas. A excelência com o cuidado da vinha e a inovação nos processos de elaboração com a aplicação das técnicas mais avançadas são os dois pilares das bodegas. E é por isso que o Vinho Marqués de Vitoria Reserva está em nossa lista!
Tinto de Reserva 100% Tempranillo o Limpo, brilhante, cor cereja atraente, com evolução granada. No nariz é intenso e quente. Possui notas de baunilha e picantes. Na boca é elegante, fresco e equilibrado. É consagrado mundialmente por prêmios como Medalha Gran Ouro, Berliner Wein Trophy 2017; Bacchus de Ouro, Prêmios Bacchus 2016, España; e Medalha de Ouro, Mundus Vini 2016, Alemania.

AAH, MAS TAMBÉM QUERO UM QUENTÃO ZÉ

Para fazer o vinho quente não é necessário investir num tinto elaborado e nem em uma uva específica. Isso porque, quando aquecido a uma determinada temperatura, o álcool evapora e leva consigo as principais qualidades do vinho.

A única recomendação a ser feita é que o vinho precisa ter a classificação “vinho fino tinto seco”. O vinho seco obrigatoriamente foi 100% fermentado e feito com uvas viníferas. Já o vinho suave, teve sua fermentação interrompida e adição de açúcar.

Algumas dicas de vinhos secos com bom custo benefício para fazer essa bebida:

Leia também: Tudo Sobre o Vinho Quente

E é isso meninada, agora é só aproveitar as festanças e aquecer o esqueleto com os vinhos do Empório Festval!