A história do grupo Faustino não é a história de uma empresa, é a história de uma família. Uma família que, de geração em geração, dedicou sua vida à vinhos, vinhedos e bodegas. São quatro sucessões nutrindo o mesmo sentimento, a paixão pela terra e por coisas bem feitas. São 150 anos de experiência na produção e envelhecimento de vinhos de alta qualidade. Uma tradição que se adaptou às mudanças de época, acompanhando as inovações e, assim como os seus vinhos, a cada ano se tornando ainda melhor em qualidade.

ERA UMA VEZ…

Toda história tem uma origem e essa iniciou com Eleuterio Martínez Arzok, um homem do seu tempo, com espírito empreendedor e visão de futuro, que, mesmo sem saber as dimensões de seu ato, teve audácia de começar uma aventura familiar. Em 1861, Eleuterio se estabeleceu em Oyón, na Espanha. Comprou uma casa e uma vinha, conhecidos como palácio Marqués del Puerto, em pouco tempo tornou-se sua paixão. Um século e meio depois e essa paixão permanece viva, hoje ela é o legado de toda a sua família. Quem poderia dizer que, 150 anos depois, este amor se tornaria em um dos maiores grupos produtores de vinho da Espanha?

DE GERAÇÃO EM GERAÇÃO

Faustino Martínez Pérez de Albéniz, filho de Eleuterio, desde pequeno acompanhou o trabalho do pai na vinha e na adega. Assistiu ao pai construir seu vinhedo, perder tudo para pragas e depois se reconstruir, esperando pacientemente e voltando ao trabalho, essas experiências serviram de inspiração. Em 1920, com a morte do seu pai, Faustino toma as rédeas da empresa. Em 1930, ele tomou uma decisão crucial para o Grupo ser o que é hoje: abandonou a venda de vinho a granel e engarrafou toda a produção. Vender garrafas significa criar uma marca e é assim que surgem os primeiros rótulos da casa: Viña Parrita, Santana, FAMAR e Campillo.

DA ESPANHA PARA O MUNDO

Representada por Julio Faustino Martínez, filho único com formação em enologia, a terceira geração entra em cena. O instinto e a paixão passados de pai para filho fazem o jovem entrar no mercado internacional com um primeiro passo determinador. Em 1957, garrafas de seus vinhos chegam na Áustria e a vinícola inicia sua expansão internacional com sua primeira exportação. Em 1960, para homenagear o pai, Julio enraíza a história da marca e a batiza com o nome de Grupo Faustino.

Em 1968, uma grande safra de 64 é lançada, o mundo conhece as primeiras garrafas do Faustino I, um rótulo emblemático que transfere junto ao seu sabor, toda a história de vida dessa família. Nos anos seguintes, o empreendedor se dedicou a mais um dos seus projetos pessoais, o sonho de construir mais adegas e consolidar o futuro da família com vinhedos em diferentes regiões. Em 1990 é inaugurada a Bodega Campillo, em Laguardia, um do vilarejos mais lindos de La Rioja Alavesa. Ao estilo dos castelos Bordeaux, a bodega é um marco arquitetônico cercado por 50 hectares das melhores videira.

OS ÚLTIMOS 25 ANOS DE HISTÓRIA

Marcados pela presença em diferentes áreas estratégicas, pouco a pouco o Grupo Faustino foi estabelecendo suas garras. Em 1995, a vinícola Marqués de Vitória foi incorporada em La Rioja; 1996 compram os primeiros vinhedos em Ribera del Duero; em 1999 inaugura a Bodega Condessa de Leganza, em La Mancha; e em 2001 mais uma em Valcarlos, em Navarra.

Os vinhedos de Ribera del Duero tomam forma e em 2010 é inaugurado o mais recente e marcante projeto do Grupo Faustino, a Bodega Portia. Em um prédio espetacular, uma exibição arquitetônica contemporânea, ao mesmo tempo funcional e simbólica. Portia, a sétima bodega do grupo, reflete como nenhuma outra adega a particularidade que diferencia Faustino: a vibrante inovação que está presente em todas as suas atividade, além do amor por oferecer o melhor.

Atualmente a marca está presente em mais de 90 países, tendo 60% de toda produção direcionadas à exportação, traçando um caminho em que não há fronteira. Em sua quarta geração, Lourdes Martínez Zabala, conselheira do Grupo Faustino, está à frente da empresa familiar que começou com seu bisavô. E, ao lado de todos seus antecessores, compartilha paixão por produzir vinhos que refletem o amor pela terra, a tradição e o diálogo com o mundo.

Logo Faustino

Faustino I é um vinho limpo e brilhante, de cor rubi com evolução granada. O olfato é muito complexo e elegante, com ampla expressão de frutas e notas de especiarias. Na boca, elegante, com notas agradáveis ​​vindas do barril, com final longo e sedoso.

É fácil emparelhar com qualquer tipo de carne, cogumelos grelhados, alguns peixes com muito sabor ou gorduras, como atum e bacalhau. Bom também com queijos e risotos.

Faustino I é um espanhol aclamado pelo mundo todo. No ano de 2013, Faustino I Gran Reserva Rioja 2001 foi listado em primeiro lugar pela revista inglesa Decanter, na lista dos 50 melhores vinhos do ano. Selecionado entre mais de 3200 vinhos provados pelos degustadores da revista ao longo do ano de 2013, o Faustino I se sobressaiu entre os demais por ter sido capaz de oferecer ao consumidor uma grande qualidade olfativa e gustativa, conquistando 97 pontos da Decanter.

Medalhas Faustino !
Medalha de Prata, safra 2004, Concurso Mundial de Bruxelas 2016, Bélgica
Medalhas Faustino I
91 Pontos, safra 2006. Guía Peñín 2018, Espanha.

Medalha de Ouro, safra 2005. Berliner Wein Trophy 2017 Alemanha
Medalhas Faustino I
Bacchus de Ouro, safra 2004, Premios Bacchus 2016, Espanha

93 Pontos, safra 2004, Guia Peñin 2016, Espanha

Gold Medal, safra 2005, Concurso Mundial de Bruxelas 2016, Bélgica

Silver Medal, vintage 2006, Concurso Mundial de Bruxelas 2016, Bélgica

Mas de onde vem todo esse prestígio?

Bodegas Faustino, localizada em Oyón, Rioja Alavesa, goza de um prestígio internacional alcançado através de mais de 150 anos de experiência na produção e envelhecimento de vinhos de alta qualidade.

Cruzar as portas de Bodegas Faustino é mergulhar na história do vinho. É viver uma experiência em uma das vinícolas mais reconhecidas no mundo. É conhecer uma grande adega em que mais de nove milhões de garrafas descansam.

É compartilhar a paixão de uma família pela terra e o respeito por uma tradição secular na criação de vinhos.

É descobrir a essência do armazém líder em exportação de Grandes Reservas de Rioja.

Faustino é uma história de uma família e de um legado.

Bodegas Faustino

A história se inicia em 1861, com Eleuterio Martinez Arzok, que se estabelece em Oyón, na Espanha. Compra uma casa, palácio do Marqués del Puerto e uma vinha, que se tornam sua paixão.

Em 1920, Don Faustino Martinez Pérez de Albéniz começa a engarrafar vinhos, e fundamentar a vocação da empresa.

Em 1930 são lançados as primeiras marcas: Campillo, Viña Parrita, Santana e Famar.

Em 1957, na terceira geração, o negócio se consolida com Julio Faustino Martinez, tornando-se uma das marcas líderes na Espanha. E a primeira exportação de Reservas e Grandes Reservas.

Em 1960 Julio Faustino cria a marca Faustino em homenagem ao seu pai. A empresa familiar inicia sua expansão internacional com a primeira exportação para a Áustria.

1970 prestigio e reconhecimento internacional das Bodegas Faustino, com 47.000 barris dos melhores vinhos.

2016 Lourdes Martínez Zabala, quarta geração, conselheira do Grupo Faustino, está à frente da empresa familiar que começou com seu bisavô. Leva consigo sua origem e continua com um novo vigor para o Grupo.

Bodegas Faustino
Palácio do Marqués del Puerto

As primeiras garrafas de Faustino I recebiam cimento com um pincel, para deixar o vidro com menos claridade. Não por uma questão estética, mas sim para protegê-los da luz quando não havia adegas de conservação em restaurantes e casas, nem a cultura sobre como armazenar vinhos fora da adega. A rede dourada foi colocada para proteger o rótulo. É um trabalho manual feito por freiras e pessoas com síndrome de Down.

O nome da marca Faustino, foi batizado por Julio Faustino, que era um filho único e tinha estudado enologia. Quando ele tomou as rédeas da adega, havia três marcas: Viña Parrita, Viña Campillo Reserva, Viña Santana e a reprodução. Todos eram nomes de vinhas que tinha herdado, mas ele estava claro que para exportação e para crescer, esses nomes eram difíceis e não teria força, então ele procurou um que era fácil de pronunciar em muitas línguas e decidiu que Faustino seria, uma homenagem ao seu pai.

Faustino I

Confundidos com os vinhos Jovens, os espanhóis denominados Crianzas possuem particularidades que valem a pena mencionarmos.

Crianzas são vinhos que possuem um período de envelhecimento em contato com o carvalho. O período total é de 24 meses para os vinhos tintos, com uma média de 6 até 12 meses em barricas de carvalho. Para os brancos e os rosés, são 18 meses de envelhecimento, sendo 6 deles em barricas.

Mas vamos mais à fundo nessa explicação.

Muitas vezes um detalhe pode ser crucial na hora de selecionar o vinho correto para acompanhar a sua refeição. No Brasil são consumidos muitos vinhos dos países de língua espanhola, o que acaba gerando confusão com os falsos cognatos – uma palavra que parece significar uma coisa, mas na verdade significa outra diferente. Esse é o caso dos vinhos Crianza. Não são poucas as pessoas que acreditam que os vinhos espanhóis denominados Crianza tratam-se de vinhos jovens, ou seja, “crianças”. Embora o descuido possa ser pequeno, os resultados são inteiramente distintos.

Hoje nós vamos explicar brevemente quem são os vinhos Crianza e qual é a indicação para o seu consumo, assim essa dúvida ficará solucionada de vez. Também vamos dar uma leve pincelada no perfil das outras classificações dos vinhos espanhóis, assim você nunca mais ficará em dúvida diante das estantes da adega, do mercado, da loja online ou do cardápio. Boa leitura!

Criado em barris

A questão principal ao falarmos sobre um vinho Crianza é a sua maturação. O termo Crianza em espanhol é aplicado para determinar que àquele vinho passou por um processo em barrica de carvalho, desse modo, entrando em contato com madeira, e com isso, adquirindo corpo.

Existe uma legislação específica para o cuidado e a maturação desse vinho, para que nós não precisemos entrar em especificidades vamos explicar brevemente a classificação dos vinhos espanhóis.

  • Joven: é o vinho sem a maturação em barricas de carvalho. São vinhos mais simples que acompanham bem refeições sem tantas informações. São vinhos para o dia a dia.
  • Crianza: como falamos, esses são os vinhos que possuem um período de envelhecimento em contato com o carvalho. O período total de envelhecimento é de 24 meses para os vinhos tintos, com uma média de 6 até 12 meses em barricas de carvalho. Para os brancos e os rosés, são 18 meses de envelhecimento, sendo 6 deles em barricas.
  • Reserva: aqui estão os vinhos com um tempo de envelhecimento mais acentuado. Os tintos têm um período de 36 meses, respeitando o período mínimo de 12 meses em barricas. Já os brancos e rosés são envelhecidos por 24 meses, também obedecendo ao período de 1 ano em barricas de carvalho.
  • Gran Reserva: são os vinhos com o maior período de envelhecimento. Sendo de 5 anos para os tintos, com o mínimo de 24 meses em barricas, e 4 anos para os brancos e rosés, com o período mínimo de 2 anos em barricas de carvalho.

Indicações

Como todos os vinhos que passam por madeira – e podemos incluir os vinhos Reserva e Gran Reserva – os vinhos Crianza são vinhos com maior volume de aromas, complexidade e sabores. São indicados para uma apreciação paciente e para acompanhar pratos que exijam uma presença de vinhos aromáticos.

No Empório Festval podemos encontrar algumas opções como: Faustino Crianza, Portia Crianza, Finca el Rejoneo, Fortius e Valvarés.

Vale ressaltar que o preço do vinho não está automaticamente atrelado a sua complexidade, e nem ao tempo de maturação e envelhecimento do vinho. Portanto, procure conversar e buscar informações sobre o vinho adequado para acompanhar o seu prato. Na dúvida, fale conosco, estamos dispostos a conversar e esclarecer as suas dúvidas.

Se você gostou das nossas dicas, não deixe de comentar e acompanhar as nossas publicações. Nós estamos sempre procurando o que existe de atual no universo dos vinhos e da gastronomia. A sua participação é muito importante nesse processo. Obrigado!